Dar limites às crianças também é dar amor!

Os limites devem ser adaptados a cada criança, de acordo com as suas necessidades, garantindo que ela compreenda para atender e respeitar.

O Assento Elevatório Wrappy Seat da Chicco permite manter a criança segura e junto dos adultos!

É importante não esquecer que os limites devem estar em harmonia com o comportamento dos pais. Se houver contradições entre o comportamento dos pais e os limites que são colocados, as crianças vão ficar confusas.

No artigo de hoje iremos desdobrar juntos a palavra LIMITES:

L de Lógicos e coerentes. É importante que as crianças atribuam um significado ao limite e compreendam o verdadeiro motivo da sua aplicação. Mantenham a vossa posição até ao fim, caso contrário, não vai surtir o efeito esperado.

I de Independência deve ser estimulada ao longo do desenvolvimento de uma criança. A superproteção não vai permitir à criança aprender a lidar com a frustração e vai dificultar o seu processo de amadurecimento social e emocional.

M de Medo e culpa em estabelecer limites é mais comum do que possa imaginar. Já deu por si a pensar que dedica grande parte do seu tempo ao trabalho e que, quando está com o seu filho ou filha, a única coisa que pretende é proporcionar-lhe um momento de qualidade? Pode e deve consegui-lo através da colocação de limites.

I de Intencionalidade! Todos os limites colocados à criança devem ter um propósito, uma intenção. É daqueles pais que respondem: Sim, porque sim, ou Não, porque não!? Vá lá as crianças merecem mais do que isso.

T de Tempo! Provavelmente algumas pessoas irão pensar que tempo é coisa que não têm e isso daria uma grande discussão. O importante é darmos tempo para que as crianças experimentar até que o próprio limite lhes faça sentido e possam interiorizá-lo.

E de Eficicentes e eficientes devem ser os limites que vamos adotando para balizar o comportamento da criança. Com quantas birras já tiveram de lidar? Digam-me quantos limites colocaram, dir-vos-ei com quantas birras já tiveram de lidar.

S de Securizantes, assim podemos adjetivar os limites colocados pelos adultos às crianças. Não há nada mais organizador para uma criança do que as rotinas e os limites. Palavra de psicóloga!

Nunca pensou que a palavra LIMITES pudesse traduzir tanta informação, pois não?

Importante: Sejam flexíveis porque as crianças precisam de limites, mas também precisam de explorar, experimentar para se desenvolverem. Além de claros, os limites devem ser sempre positivos. Dizer “não” a tudo pode prejudicar ambas as partes, por isso, torna-se necessário enfatizar a parte positiva dos limites.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.